sábado, 5 de março de 2011



Quando as nossas mãos se entrelaçarem, pergunte-me: "você me ama?" ; " sentiu a minha falta?".
E responderei: Sim, para ambas, mais do que nunca, para as duas.

Sabe aqueles momentos silenciosos entre nós dois? Quando o seu corpo se encaixa perfeitamente no meu e nos sentirmos é tudo oque basta para o mundo ser uma abstração do que há de melhor, então, pergunte-me: " tens que ir?" ; " vai me esquecer?".

E responderei: Não, para ambas, jamais, para as duas.


Assim, amor, um supiro nunca foi tão significativo e o tempo nunca teve um efeito tão real e opressivo na carne.


Pois os teus beijos escorrem para os meus lábios, e lembro-me de mel. Docemente. Para me sussurrar uma promessa que nenhum de nós dois poderia cumprir, assim, então, pergunte-me: " por que me amas?" ; " não entendo, por quê tanto te amo? ".

E responderei: Porque é assim que tem que ser, para ambas, porquê não poderia ser diferente se somos apenas um para o outro.

Nenhum comentário: